terça-feira, 14 de dezembro de 2010

#30 Feliz aniversário, Solange.

A Solange cometeu suicídio na sexta-feira, no dia do próprio aniversário de quarenta e três anos. Dizem que viu o marido entrando na casa da vizinha carregando duas garrafas de vinho, cheio de risos, com ela e uma amiga. O filho pequeno estava dormindo no quarto, nem viu quando ela se trancou dentro da lavanderia pequena, fechou a janela e abriu o registro do gás. Mulher de saúde fraca, quando o filho sentiu o cheiro já era tarde demais. Ela só deixou uma carta em cima da pia:
"Jorge,
Eu não sei por que tu fez isso. Parecia tudo tão bom. Eu não fui uma boa esposa? Nosso sexo não tava bom? Tu destruiu uma família inteira. Não trai o nosso filho do jeito que tu me traiu. Não esquece de alimentar o gato."
O corpo foi velado no dia seguinte. Cerimônia simples, a Solange não gostava de coisa vistosa, dizia o marido.
O Jorge se mudou com o filho, mas enlouqueceu uns dois anos depois. Depressão. Se trancou no hospício. Do filho ninguém mais sabe.
A vizinha se matou na noite do dia do enterro. Morava sozinha, a casa ficou abandonada do mesmo jeito que estava quando ela se enforcou no abacateiro do pátio. Doaram as roupas, venderam alguns móveis, mas a faixa da festa surpresa ainda estava na parede, meio suja. "Feliz Aniversário, Solange". O bolo apodreceu em cima mesa da sala, do lado de duas garrafas de vinho do porto.

7 comentários:

  1. Kura, eu curti litruz! o/

    Um dia a Kura vai ser uma escritora famosa e eu vou poder dizer que era colega dela na nega facul... xDD

    kisu

    ResponderExcluir
  2. Solange somos todos nós. Solange são os nossos momentos de fraqueza, Solange são as nossas desculpas, Solange são as justificativas que tentamos encontrar. Em alguns momentos somos Teresa, aquela Teresa de Chico, quando permitimos que alguém invada a nossa casa e nosso corpo, escreva em nossas coxas e pelas nossas paredes; noutros, somos Solange, quando procuramos pretextos, quando desistimos dos outros e, por fim, de nós mesmos. Solange é a representação de nossa incerteza e, ao mesmo tempo, de nossa maior certeza. Solange é a morte sussurrando nos nossos ouvidos.

    Perdão pela viagem, mas foi exatamente isso o que pensei enquanto li a pobre Solange. Seria, serei, sou eu. E certamente não estou sozinha. Parabéns Kura, sempre arrasando com teus textos!

    ResponderExcluir
  3. Muito bom. Tu bateu meu recorde de assassinatos de personagem por linha escrita, eu acho. :P
    Dá uma re-olhada que tem umas palavras repetidas, nada de mais. De resto, espero que tu continue assim. :)

    ResponderExcluir
  4. Puxa Kura, tremenda catarse nesse conto heim. Como disse o Ítalo, contos são os mais difíceis textos de serem escritos, depois da poesia, é claro. Creio que nesse conto conseguisses produzir um efeito muito bom, porque apesar de ser bem curtinho, foi surpreendente.

    ResponderExcluir
  5. Perfeito, Gil. Curti um monte tua narrativa. Preciso me inspirar pra matar mais personagens! Hahahahahahaha... Bjos. Suadades!

    ResponderExcluir
  6. http://www.youtube.com/watch?v=8EV4itXyoBc

    ResponderExcluir