sexta-feira, 1 de junho de 2012

#51 Microcontos

[.]


As mãos dadas como amantes que eram. Um toque no rosto. Um abraço forte.
- Te vejo amanhã?
- Como toda noite.
Se afastaram.
Ele sorriu. Ela acordou.


[..]

Amavam-se cegamente. 
Ela não o enxergava com os olhos.
Ele não a via com o coração.


[...]



Escritor e poeta, professor e homem culto, mas lhe faltavam palavras quando ela sorria.

[....]

- Deseja alguma coisa?
- Um espresso duplo. Traz um cinzeiro?
- Sim, senhor. Açúcar ou adoçante?
Pediu amargo. Combina com a solidão.

[.....]

Já bebi demais. Continuar escrevendo não seria saudável. Pra nós.

Um comentário: